‘Avatar’ retorna aos cinemas enquanto Disney exagera na sequência de James Cameron

Avatar

Fonte: Walt Disney Studios

Os Na’vi retornam às telonas neste fim de semana, enquanto a Disney procura reacender o interesse em sua recém-adquirida franquia Avatar, três meses antes da estreia da longa sequência, “Avatar: O Caminho da Água”.

Trazer o filme de maior bilheteria de todos os tempos de volta aos cinemas tem dois propósitos para a Disney: animar a animação para “The Way of Water” e preencher um lugar vago no calendário teatral. A sequência é uma das quatro previstas para a próxima década.

O relançamento do filme original é uma espécie de teste decisivo para saber se o público ainda quer visitar seu mundo de ficção científica ecologicamente consciente.

“Muitas perguntas foram feitas sobre o legado da cultura pop do filme na última década, mas também temos que lembrar que James Cameron já foi questionado antes e provou que muitos estavam errados”, disse Shawn Robbins, analista-chefe do BoxOffice.com.

Dirigido por Cameron, o cérebro por trás de “Titanic” e “O Exterminador do Futuro”, “Avatar” estreou no final de 2009 com grande aclamação e enorme sucesso financeiro, ganhando nove indicações ao Oscar. Mas nunca capturou a relevância cultural que Star Wars ou o Universo Cinematográfico da Marvel – ambos também de propriedade da Disney – desfrutaram. As vendas de brinquedos fracassaram e os cosplayers usando maquiagem azul pesada em convenções de fãs da cultura pop tornaram-se poucos e distantes entre si.

“Naturalmente, todos os olhos estarão voltados para o desempenho de bilheteria neste fim de semana, pois isso pode servir como um indicador do interesse do público no lançamento de dezembro de ‘The Way of Water'”, disse Paul Dergarabedian, analista sênior de mídia da Comscore.

“Avatar” cativou o público há mais de uma década, em parte por causa da tecnologia que Cameron ajudou a desenvolver para filmar e animar o filme. O filme foi filmado usando o Fusion Camera System, criado por Cameron e o diretor de fotografia Vince Pace. Filmes indicados ao Oscar, como “Hugo”, de Martin Scorsese, e “A Vida de Pi”, de Ang Lee, também utilizaram esse sistema de câmera.

Os sistemas anteriores usavam duas câmeras porque os cineastas determinaram que o cérebro humano processava informações diferentes de diferentes lados do cérebro. Assim, uma parte do cérebro processaria o movimento da imagem, enquanto a outra processaria o que estava acontecendo na imagem.

Situado mais de uma década após os eventos do primeiro filme, “Avatar: The Way of Water” conta a história da família Sully.

Disney

Cameron e Pace criaram uma câmera que poderia capturar imagens da mesma forma que um olho humano. Os resultados foram de tirar o fôlego – basta olhar para as vendas de ingressos.

Durante sua execução inicial, “Avatar” arrecadou US$ 2,78 bilhões globalmente. Ele adicionou vendas adicionais de ingressos ao longo dos anos por meio de relançamentos e recuperou a coroa de bilheteria de “Vingadores: Ultimato” em 2021, quando foi redistribuído na China, chegando a US$ 2,84 bilhões.

A maioria dos ingressos vendidos para o filme foram para exibições em 3D, que tendem a ser mais caras do que os ingressos normais. Esses ingressos premium ao lado, uma corrida estendida de nove meses nos cinemas, ajudaram a aumentar a bilheteria total de “Avatar”.

“Sabemos que o IMAX e outros [premium format] telas são um grande impulsionador para o negócio agora e daqui para frente, mas a popularidade do 3D na América do Norte diminuiu rapidamente nos anos após o primeiro lançamento original de ‘Avatar'”, disse Robbins. “Com raras exceções, o 3D simplesmente começou a desligar muitos espectadores por uma variedade de razões – algumas das quais os cineastas podem controlar, mas não todas.”

Essa “corrida do ouro 3D” na esteira de “Avatar”, como Dergarabedian o chama, levou a uma saturação excessiva do mercado. Muitos dos lançamentos em 3D foram conversões de filmes que não se adequavam ao formato e, assim, a qualidade diminuiu e o interesse do público também.

Embora os filmes em 3D tenham caído em desuso com o público doméstico, eles continuam excepcionalmente populares internacionalmente – especialmente na China. De fato, “Avatar” fez a maior parte de seu dinheiro fora dos EUA – colossais US$ 2,08 bilhões.

“Se estou lendo nas entrelinhas deste plano de distribuição, parece que a Disney e a 20th Century Studios estão avaliando o estado da marca 3D e podem usar os resultados de bilheteria para informar como ‘The Way of Water’ é tratado. “, disse Robbins. “Enquanto Cameron vai querer empurrar a versão 3D para os fãs que querem ver do jeito que ele filmou, também é difícil ignorar o grande público lá fora, que nunca se apaixonou tanto pelo formato quanto por outros 2D. opções de visualização premium.”

As estimativas atuais para o relançamento do filme variam de US$ 7 milhões a US$ 12 milhões, com analistas de bilheteria dizendo que um número na adolescência seria “enorme”. Também está enfrentando forte concorrência do épico de ação histórico “The Woman King”, que teve uma forte estreia no fim de semana passado e pode ser preparado para uma longa e bem-sucedida temporada nas bilheterias.

“Seria um eufemismo enorme dizer que há muita coisa na marca ‘Avatar’ e com pelo menos mais três partes filmadas a caminho”, disse Dergarabedian. “O relançamento do original neste fim de semana será a chave para o que o futuro reserva para o universo de Pandora e além.”

Leave a Comment