Estudo revela que a restrição calórica é mais eficaz do que o jejum intermitente

Um recipiente de salada para preparação de refeição, outra caixa de preparação de refeição e dois frascos estão em uma mesa do lado de fora com talheres ao lado.Compartilhar no Pinterest
O jejum intermitente pode não ser tão eficaz para algumas pessoas quanto se pensava anteriormente. Valentina Barreto/Stocksy
  • Tem havido uma extensa pesquisa sobre diferentes métodos de perda de peso e sua eficácia.
  • O jejum intermitente (JI) é um componente popular das dietas para perda de peso, mas os pesquisadores ainda estão trabalhando para entender seus benefícios e desvantagens.
  • Dados de um estudo recente descobriram que apenas comer em determinados períodos de tempo pode não contribuir significativamente para a perda de peso.
  • Reduzir calorias e o número de grandes refeições pode ser mais eficaz do que JI para perda de peso, sugere o estudo.

Às vezes, a perda de peso é necessária para que as pessoas mantenham um peso saudável, e as pessoas podem usar uma ampla variedade de métodos para perder peso.

O jejum intermitente, ou apenas comer durante intervalos de tempo específicos, é um dos métodos que ganhou popularidade nos últimos anos. No entanto, os pesquisadores ainda estão trabalhando para entender se e como o momento da alimentação afeta a perda de peso.

Um estudo recente publicado no Jornal da Associação Americana do Coração descobriram que a frequência e o tamanho das refeições tiveram um impacto mais significativo no ganho de peso do que a janela de tempo de alimentação.

Os resultados indicam que restringir a alimentação a determinados horários do dia com o jejum intermitente pode ser ineficaz para as pessoas perderem peso a longo prazo.

jejum intermitente envolve apenas comer durante intervalos de tempo específicos. Existem muitas maneiras de fazer jejum intermitente; pode significar não comer em determinados dias ou apenas comer alimentos em determinados momentos do dia. Algumas pessoas procuram usar o JI para perder peso ou manter um peso saudável.

Alguns evidência sugere que o jejum intermitente pode ajudar as pessoas a perder gordura corporal e pode ajudar a reduzir o risco de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

No entanto, os pesquisadores ainda estão trabalhando para entender os perigos potenciais do jejum intermitente e como pesar esses riscos em relação aos benefícios potenciais. No geral, esta é uma área em que há necessidade de mais dados.

Beata Rydyger, nutricionista registrada com sede em Los Angeles, CA, e consultora nutricional clínica da Zen Nutrients, que não participou do estudo, apontou um desafio no estudo de comportamentos alimentares para Notícias médicas hoje:

“De um modo geral, as dietas são mais difíceis de estudar porque as mudanças na dieta não têm efeito imediato na saúde. A maioria dos participantes do estudo acha difícil rastrear o que comem, e poucos conseguem aderir a uma dieta por tempo suficiente para que os efeitos benéficos sejam medidos”.

“Os defensores do jejum intermitente destacam uma série de benefícios potenciais, alguns dos quais são apoiados por pesquisas, incluindo melhorias na perda de peso, pensamento e memória, diabetes tipo 2, saúde dos tecidos e até desempenho físico.”
— Beata Rydyger, nutricionista

Este estudo incluiu 547 participantes recrutados de três sistemas de saúde diferentes.

Os pesquisadores coletaram informações sobre os participantes por meio de registros eletrônicos de saúde e do uso de um aplicativo móvel especializado chamado Daily24. Os participantes podiam registrar quando comiam, o tamanho da refeição, os horários em que iam dormir e quando acordavam.

Para cada refeição registrada, os participantes estimaram o tamanho da refeição em menos de 500 calorias (pequena), 500-1.000 calorias (média) ou superior a 1.000 calorias (grande).

A autora do estudo, Dra. Wendy Bennett, elaborou seus métodos de pesquisa para MNT:

“Desenvolvemos um aplicativo para coletar ‘tempo de comer’ e, quando os participantes inserem o tempo, também perguntamos o tamanho da refeição (pequena, média ou grande). Participantes de 3 sistemas de saúde usaram o aplicativo por 6 meses. Vinculamos os dados do aplicativo aos dados da pesquisa com registros eletrônicos de saúde.”

O Dr. Bennett disse que eles então analisaram a ligação entre os intervalos de alimentação, incluindo a janela total de alimentação dos participantes, o tempo entre acordar e dormir e o tempo entre a última refeição e a hora de dormir, com mudanças em seu peso ao longo de cerca de seis anos.

Os pesquisadores descobriram que o tempo da primeira refeição do dia até a última refeição do dia não estava associado a mudanças no peso. No entanto, eles descobriram que comer refeições maiores e mais frequentes estava associado ao ganho de peso.

“A principal implicação clínica é que restringir sua janela de alimentação (ou seja, comer em menos tempo, ter mais tempo de jejum) pode não reduzir o ganho de peso ao longo do tempo. Enquanto comer mais refeições médias ou grandes está associado ao ganho de peso ao longo do tempo. E mais refeições menores estão associadas à perda de peso ao longo do tempo”.
— Dra. Wendy Bennett

Em algumas de suas análises, os pesquisadores descobriram que comer mais cedo depois de acordar e passar mais tempo entre a refeição final e ir para a cama pode estar associado a um menor ganho de peso.

A Dra. Katherine Saunders, co-fundadora da Intellihealth and Obesity Physician que pratica na prática de telemedicina da Intellihealth, Flyte Medical, que também não esteve envolvida no estudo, observou MNT que a descoberta principal não foi surpreendente.

“Os pesquisadores encontraram uma associação entre comer refeições mais frequentes e maiores e ganho de peso, sugerindo que a ingestão calórica total total é o principal fator de ganho de peso. Isso não é surpreendente”, disse ela.

“O que é mais interessante é que os participantes com [a] menos tempo desde acordar até a primeira refeição e com mais tempo desde a última refeição até dormir parece ter menos ganho de peso, uma tendência que sugere que comer no início do dia pode facilitar o controle de peso”.
— Dra. Katherine Saunders

Os dados sobre o jejum intermitente ainda estão surgindo, portanto, nenhum estudo oferece todas as provas de que o método é eficaz ou ineficaz. Este estudo em particular também teve várias limitações a serem consideradas.

Primeiro, os pesquisadores só podiam analisar os dados dos participantes do estudo que baixaram e usaram o aplicativo Daily24. Essa exclusão pode ter impactado a população do estudo e os resultados.

Eles recrutaram apenas participantes de três sistemas de saúde, o que significa que os resultados não podem necessariamente ser generalizados. Quase 78% dos participantes eram mulheres e brancas, indicando a necessidade de estudos futuros mais diversificados.

O estudo também teve um tempo de acompanhamento relativamente curto, levando a menos medições de peso e declínios na precisão das medições. Os pesquisadores também não conseguiram medir as intenções dos participantes de perder peso antes de sua inscrição no estudo.

A forma como os pesquisadores mediram os períodos de alimentação não poderia avaliar métodos de jejum mais complexos. Os dados também dependiam do auto-relato dos participantes, e a comida não era padronizada ou avaliada quanto à qualidade.

“Este estudo não avaliou especificamente padrões como jejum intermitente. Também não avaliamos a qualidade da dieta para as refeições relatadas no aplicativo”, observou o Dr. Bennett ao MNT.

“Ensaios clínicos randomizados que ajustam a ingestão calórica são necessários para testar ainda mais o papel do momento da alimentação na prevenção do ganho de peso e também na perda de peso”, acrescentou ela.

Este estudo indica que outros métodos de perda de peso podem ser mais eficazes do que o jejum intermitente. Independentemente das metas de peso, as pessoas podem usar vários métodos para se manter saudável e controlar o peso.

Para alguns, isso pode significar incorporar o jejum intermitente, mas outros podem escolher estratégias diferentes. O Dr. Bennett disse que o automonitoramento era a chave para a perda de peso.

“Outros estudos mostram que as pessoas podem usar uma alimentação com restrição de tempo ou jejum intermitente para ajudá-los a reduzir sua ingestão calórica e, assim, perder peso, por isso ainda pode ser uma ferramenta útil de perda de peso para algumas pessoas que podem aderir a ele. . A pedra angular da perda de peso continua a envolver o automonitoramento”, disse ela.

Dr. Saunders observou ainda que as pessoas respondem de forma diferente a diferentes métodos de perda de peso, e não é uma abordagem única para todos.

“Existem tantos fatores que afetam a regulação do peso, então a perda de peso bem-sucedida precisa abordar todos eles de maneira personalizada. Não existe uma ‘melhor dieta’, e pessoas diferentes respondem de forma diferente a qualquer abordagem de perda de peso, seja uma dieta, uma rotina de exercícios, um medicamento anti-obesidade ou até mesmo uma cirurgia bariátrica.”
— Dra. Katherine Saunders

Leave a Comment