Menino no centro da batalha judicial no Reino Unido morre após o fim do suporte de vida




Danica Kirka, Associated Press



Publicado sábado, 6 de agosto de 2022 10:36 EDT




LONDRES (AP) – Um menino de 12 anos que está em coma há quatro meses morreu no sábado em um hospital de Londres depois que os médicos interromperam o tratamento de suporte à vida que foi objeto de uma longa batalha judicial.

A mãe de Archie Battersbee, Hollie Dance, disse que ele morreu às 12h15, cerca de duas horas depois que o hospital começou a retirar o tratamento. Os tribunais britânicos rejeitaram o pedido da família de transferir Archie para um hospício, e o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos recusou-se pela segunda vez a intervir no caso.

“Ele lutou até o fim”, disse Dance, chorando do lado de fora do hospital. “Eu sou a mãe mais orgulhosa do mundo.”

Os cuidados de Archie se tornaram objeto de semanas de discussões legais, enquanto seus pais tentavam forçar o hospital a continuar os tratamentos de manutenção da vida e os médicos argumentavam que não havia chance de recuperação e que ele deveria morrer.

A família pediu permissão para transferir Archie para um hospício depois que os tribunais britânicos decidiram que era do seu interesse encerrar o tratamento. O hospital disse que a condição de Archie era tão instável que movê-lo aceleraria sua morte.

Na sexta-feira, a juíza do Supremo Tribunal Lucy Theis rejeitou o pedido da família, dizendo que Archie deveria permanecer no hospital enquanto o tratamento fosse retirado.

“Volto para onde comecei, reconhecendo a enormidade do que está por vir para os pais de Archie e a família. Seu amor incondicional e dedicação a Archie é um fio de ouro que percorre este caso”, escreveu Thies em sua decisão. “Espero que agora Archie possa ter a oportunidade de morrer em circunstâncias pacíficas, com a família que significou tanto para ele quanto ele claramente significa para eles.’′

A disputa é o mais recente caso do Reino Unido que coloca o julgamento dos médicos contra os desejos das famílias. De acordo com a lei britânica, é comum que os tribunais intervenham quando pais e médicos discordam sobre o tratamento médico de uma criança. Nesses casos, o melhor interesse da criança tem primazia sobre o direito dos pais de decidir o que acreditam ser o melhor para seus filhos.

Leave a Comment