Milhares de russos vão para a Finlândia em meio ao esforço de mobilização de Putin na Ucrânia

Quando Nikita, de 27 anos, viu o presidente russo Vladimir Putin anunciar uma mobilização militar enquanto visitava seu tio em São Petersburgo, ele decidiu deixar sua terra natal.

Dois dias depois, ele estava cruzando a fronteira para a Finlândia.

“É simplesmente insano. Todos os meus amigos [are] em perigo”, disse o engenheiro de som, minutos depois de entrar no país nórdico.

Ele havia fugido da Rússia pela primeira vez após a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro para a Turquia e voltou para uma breve visita para obter alguns documentos. Ele agora planeja retornar à Turquia.

“É uma loucura. Eu sou apenas pela liberdade, Rússia [free] de Putin, a democracia na Rússia”, disse ele, chorando. Ele se recusou a dar seu sobrenome.

Nikita foi um dos doze jovens com quem a Reuters conversou na passagem de fronteira de Vaalimaa, no sudeste da Finlândia, número crescente desde que Putin anunciou a convocação de 300.000 reservistas militares.

‘Estou deixando a Rússia’

Eles estavam viajando com vistos de turista, mas disseram que não voltariam ou estavam pensando em não voltar.

“Estou deixando a Rússia”, disse Alexander, 21, que estava indo para a França.

Uma pessoa tem um passaporte russo no ponto de passagem de fronteira de Vaalimaa entre a Rússia e a Finlândia na sexta-feira. (Janis Laizans/Reuters)

O tráfego para a Finlândia através de sua fronteira com a Rússia estava pesado na sexta-feira. Mas o governo finlandês, receoso de se tornar uma grande nação de trânsito, planeja impedir que todos os russos entrem com vistos de turista nos próximos dias, disse o ministro das Relações Exteriores Pekka Haavisto em entrevista coletiva em Nova York.

“Todas as viagens turísticas serão interrompidas”, disse Haavisto.

Exceções ainda podem ser aplicadas por motivos humanitários, mas evitar o recrutamento militar provavelmente não constituirá motivo para asilo, disse ele.

Os guardas de fronteira finlandeses disseram que o número de russos que entraram no dia anterior foi mais que o dobro do que chegou na semana anterior.

Cerca de 7.000 pessoas entraram da Rússia na quinta-feira, de acordo com os guardas de fronteira.

Max, um estudante russo de 21 anos que se recusou a dar seu sobrenome, disse que estava indo para a Finlândia para pegar um voo para a Alemanha para visitar parentes.

“Tecnicamente, sou um estudante, então não deveria ter medo de ser convocado, mas vimos que as coisas estão mudando muito rapidamente, então presumo que haja uma chance”, disse ele à Reuters. “Eu só queria estar seguro.”

Uma foto tirada na quinta-feira no posto de fronteira de Nuijamaa em Lappeenranta, na Finlândia, mostra uma longa fila de carros esperando para cruzar a fronteira da Rússia. (Lauri Heino/Lehtikuva/The Associated Press)

Um casal russo, Slava, de 29 anos, e Evgeniy, de 35, também saiu por causa da incerteza de ser convocado para o serviço militar em algum momento.

Eles decidiram sair no momento em que Putin anunciou a mobilização parcial na quarta-feira, disseram eles. Eles deixaram seu cachorro Moby para trás com amigos. Suas famílias choraram quando eles partiram, eles disseram.

“No estágio atual, não temos demanda, mas não sabemos o que vai acontecer amanhã”, disse Slava à Reuters. “Não apoiamos o que está acontecendo agora. Não queremos fazer parte disso.”

“Foi uma decisão difícil [to leave]. Temos planos, temos carreiras. O melhor cenário é voltar. Por outro lado, [saving our] a vida é essencial.”

Poucos caminhos para fora

As passagens de fronteira terrestres finlandesas permaneceram entre os poucos pontos de entrada na Europa para os russos depois que uma série de países fechou as fronteiras físicas e seu espaço aéreo para aviões russos em resposta à invasão russa da Ucrânia.

ASSISTA l Cenas acaloradas no Daguestão, na Rússia, sobre o edital de mobilização:

Mobilização de tropas russas começa com homens sendo presos

Estão surgindo vídeos de como é a massiva mobilização de tropas na Rússia, com homens principalmente de bairros mais pobres sendo reunidos para lutar na Ucrânia. Dentro da Rússia, a tensão e a dúvida estão aumentando, e as pessoas estão fugindo em massa.

Em Vaalimaa, o ponto de passagem mais movimentado, os carros fizeram fila de até 400 metros na sexta-feira, uma fila maior do que no dia anterior, disse um oficial de fronteira.

“Em comparação com sexta-feira da semana passada, temos mais tráfego”, disse o vice-chefe da estação de Vaalimaa, Elias Laine, à Reuters. “Esperamos que o tráfego permaneça ocupado durante o fim de semana.”

Aqueles que chegam de carro ou ônibus deixaram seus veículos para verificar a documentação antes de continuar suas viagens. Guardas de fronteira revistaram alguns veículos.

As filas também eram “mais longas que o normal” na segunda maior travessia de Nuijamaa.

A Finlândia optou por manter sua fronteira com a Rússia aberta após a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, embora tenha reduzido o número de compromissos consulares disponíveis para viajantes russos que buscam vistos.

Leave a Comment