O que está por trás da hesitação da Alemanha sobre os tanques de batalha Leopard 2? | Guerra Rússia-Ucrânia Notícias

Berlim, Alemanha – Soldados ucranianos em campo agora usam canhões antiaéreos alemães Gepard para defender seus céus, armas antitanque alemãs para perfurar armaduras russas e obuses alemães para bombardear tropas inimigas.

Mas o prêmio que a Ucrânia busca urgentemente recuperar território antes de uma esperada ofensiva russa nesta primavera, o tanque de batalha Leopard 2 fabricado na Alemanha, permanece frustrantemente fora de alcance.

A Alemanha é um dos maiores doadores de equipamento militar para a Ucrânia, mas ao longo de 11 meses de guerra, Berlim só intensificou as entregas sob pressão e somente depois que outros aliados deram o primeiro passo.

Se fosse para fornecer os tanques de batalha, ou mesmo licenciar a reexportação de Leopards dos arsenais de outros países, seria a primeira vez que Berlim lidera as exportações de armas desde o início da guerra.

Até agora, esse passo provou ser demais para o chanceler Olaf Scholz e seus aliados no Partido Social Democrata (SPD), que insistem em um curso cuidadoso, que dizem estar de acordo com os aliados da Alemanha na OTAN e guiados por um público alemão cético e um medo de escalar a guerra na Ucrânia.

INTERACTIVE_UKRAINE_LEOPARD_2_TANKS_JAN22

Essa hesitação separou o SPD de seus parceiros de coalizão e levou alguns aliados internacionais, especialmente no Leste Europeu, a acusar a Alemanha de se esquivar de suas responsabilidades como grande potência europeia.

“Tanques modernos construídos no Ocidente tornaram-se uma espécie de símbolo de sua prontidão para apoiar a Ucrânia, um símbolo de sua disposição de correr riscos, um símbolo de sua disposição de enfrentar a agressão russa”, disse Matthias Dembinski, pesquisador sênior. no Peace Research Institute Frankfurt.

“Se a Alemanha continuar a se recusar a entregar tanques, o dano à reputação será significativo. E se [it does]isso pode de fato ser uma ruptura simbólica com as tradições históricas da Alemanha e, especialmente, com a política de segurança externa social-democrata.”

Confusão fervilha na Europa

Ambos os parceiros de coalizão do SPD, o Partido Verde e os Democratas Livres, apóiam o envio de Leopardos para a Ucrânia.

A decisão final precisa ser aprovada por Scholz, que construiu uma reputação de líder teimoso e avesso ao risco, e cujo próprio partido é menos agressivo com a Rússia e mais avesso a que a Alemanha exerça seu poderio militar.

Scholz defendeu o apoio da Alemanha à Ucrânia durante uma coletiva de imprensa com o presidente francês Emmanuel Macron em Paris no domingo e enfatizou a importância de trabalhar ao lado dos Estados Unidos.

“Como fizemos no passado, sempre em estreita coordenação com todos os nossos amigos e aliados para discutir a situação particular, também continuaremos a fazer no futuro”, disse ele a repórteres.

Após dias de confusão sobre se um pedido formal de reexportação havia sido apresentado por qualquer um dos 14 países que estocam o Leopard 2, a Alemanha confirmou na terça-feira que a Polônia havia pedido oficialmente a luz verde.

Anteriormente, Varsóvia disse que, independentemente da posição de Berlim, tomaria suas próprias decisões.

E a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse que “não ficaria no caminho” de qualquer país que desejasse enviar os tanques.

Enquanto isso, a especulação sobre Scholz está crescendo – de críticos internacionalmente, internamente e até mesmo dentro de seu próprio governo de coalizão.

“Alguém o entende?” perguntou um editorial do jornal liberal Die Zeit, que comparava a transparência, ou falta dela, da chancelaria à do Kremlin.

“Ele não está coordenando a comunicação, e isso cria esse tipo de cacofonia no final”, disse Stefan Meister, do Conselho Alemão de Relações Exteriores. “E ele, quem é o principal tomador de decisão em qualquer fornecimento de armas? Ele não está dizendo nada.

A política do SPD e o humor público

O SPD há muito favorece relações práticas com a Rússia e continua orgulhoso de seu legado de Ostpolitik, sob o qual o chanceler Willy Brandt buscou relações mais abertas com a Alemanha Oriental e a União Soviética.

“Foi uma espécie de dogma desses social-democratas por décadas que a paz na Europa só pode ser alcançada com a Rússia, então eles investiram muito capital político nesse tipo de política de détente”, disse Dembinski à Al Jazeera.

Mas a guerra na Ucrânia forçou uma reviravolta.

No ano passado, Scholz prometeu 100 bilhões de euros (US$ 109 bilhões) para modernizar as forças armadas da Alemanha e prometeu assumir um papel mais ativo na definição da política de segurança internacional.

O progresso tem sido lento e um influente bloco de esquerda está menos entusiasmado com o projeto, apesar das promessas da liderança do partido de que os objetivos serão alcançados.

Mísseis Patriot
Uma visão geral de um sistema de mísseis terra-ar de defesa móvel, Patriot, antes de ser transportado para a Polônia de Gnoien, Alemanha [Annegret Hilse/Reuters]

“É importante garantir e organizar a segurança da Europa contra a Rússia”, disse o co-presidente do SPD, Lars Klingbeil, na segunda-feira, no lançamento de um novo documento de estratégia, que defendia que o partido cumprisse o chamado “Zeitenwende” de Scholz, ou mudança histórica. .

No entanto, o medo de que a Rússia prossiga com suas ameaças nucleares se os países ocidentais aumentarem seu envolvimento militar é levado a sério por muitos no SPD, incluindo Scholz, que levantou a questão várias vezes nos últimos meses.

Seu porta-voz disse que o chanceler recebeu cartas e e-mails do público, elogiando sua abordagem de tentar evitar uma grande escalada da guerra.

Embora a Alemanha seja um dos maiores exportadores de armas do mundo, o país tem uma visão conflitante de si mesmo como uma potência militar. O pacifismo é comum, e muitos acreditam que a Alemanha deveria desempenhar um papel mediador e diplomático nos assuntos internacionais.

Há também um desconforto particular em enviar armas para regiões da Europa Oriental que foram invadidas pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

INTERATIVO-tipos-de-armas-a-ucrânia-está-recebendo.png

Uma pesquisa da DeutschlandTrend na semana passada descobriu que 46% dos alemães apoiam o envio de tanques Leopard 2 para a Ucrânia, 43% se opõem e 11% estão indecisos.

O apoio foi menor entre os jovens e aqueles que vivem em estados que anteriormente faziam parte da Alemanha Oriental.

Outra pesquisa da Forsa revelou que 54% apoiam a reexportação de Leopardos de outros países para a Ucrânia, mas 58% são contra o uso de tanques para recapturar a Crimeia, que a Rússia ocupa desde 2014.

“’Mais armas não trarão paz’ ​​é uma fórmula que muitos na sociedade assinariam”, disse Meister.

esperanças ucranianas

Apesar do impasse atual, o governo ucraniano parece confiante de que um avanço será feito e que suas tropas logo começarão a treinar para levar tanques alemães para a batalha.

“Não tenho dúvidas de que receberemos Leopardos”, disse o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, à BBC em entrevista transmitida na noite de segunda-feira.

“A única questão é quando, e agora estamos focados em fazer isso acontecer, mais cedo ou mais tarde.”

Kuleba solicitou que todos os países com Leopardos que estivessem dispostos a doá-los enviassem um pedido formal à Alemanha o mais rápido possível.

“Este é o movimento que deixará toda a situação clara e veremos aonde isso leva a Alemanha”, acrescentou.

Para muitos ucranianos na Alemanha, que abriga mais de um milhão de refugiados que fugiram da guerra, a espera pelo que parece ser o inevitável é angustiante.

Durante as discussões na Base Aérea de Ramstein na sexta-feira, Vitsche, um grupo ativista ucraniano, fez um protesto do lado de fora da chancelaria em Berlim, pedindo que Scholz aprovasse imediatamente entregas de tanques pesados.

“Tenho certeza que vai acontecer”, disse a porta-voz Krista-Marija Läbe à Al Jazeera.

“Enquanto isso, mais pessoas morrerão, especialmente do lado ucraniano. Então eu gostaria que o governo alemão começasse a agir mais rápido, começasse a agir com mais assertividade.”

Leave a Comment