O risco de demência pode aumentar se você estiver comendo alimentos ultraprocessados, segundo estudo

A parte do cérebro envolvida no funcionamento executivo – a capacidade de processar informações e tomar decisões – é especialmente afetada, de acordo com o estudo publicado na segunda-feira em JAMA Neurologia.

Homens e mulheres no estudo que comeram mais alimentos ultraprocessados ​​tiveram uma taxa 25% mais rápida de declínio da função executiva e uma taxa 28% mais rápida de comprometimento cognitivo geral em comparação com aqueles que comeram a menor quantidade de alimentos excessivamente processados.

“Embora este seja um estudo de associação, não projetado para provar causa e efeito, há vários elementos para fortalecer a proposição de que alguma aceleração na deterioração cognitiva pode ser atribuída a alimentos ultraprocessados”, disse o Dr. em medicina preventiva e estilo de vida e nutrição, que não participou do estudo.

“O tamanho da amostra é substancial e o acompanhamento extenso. Embora sem provas, isso é robusto o suficiente para concluirmos que alimentos ultraprocessados ​​provavelmente são ruins para nossos cérebros”.

Houve uma reviravolta interessante, no entanto. Se a qualidade da dieta geral fosse alta – o que significa que a pessoa também comia muitas frutas e vegetais integrais não processados, grãos integrais e fontes saudáveis ​​de proteína – a associação entre alimentos ultraprocessados ​​e declínio cognitivo desaparecia, disse Katz.

“Alimentos ultraprocessados ​​reduzem a qualidade da dieta e, portanto, sua concentração na dieta é um indicador de má qualidade da dieta na maioria dos casos”, disse Katz. “Por mais atípico que pareça, aparentemente alguns dos participantes conseguiram. E quando a qualidade da dieta era alta, a associação observada entre alimentos ultraprocessados ​​e função cerebral diminuía.”

Muitos alimentos ultraprocessados

O estudo acompanhou mais de 10.000 brasileiros por até 10 anos. Pouco mais da metade dos participantes do estudo eram mulheres, brancas ou com formação superior, enquanto a idade média era de 51 anos.

Testes cognitivos, que incluíram recordação imediata e tardia de palavras, reconhecimento de palavras e fluência verbal, foram realizados no início e no final do estudo, e os participantes foram questionados sobre sua dieta.

“No Brasil, os alimentos ultraprocessados ​​representam de 25% a 30% do total de calorias ingeridas. Temos McDonald’s, Burger King e comemos muito chocolate e pão branco. Não é muito diferente, infelizmente, de muitos outros países ocidentais. ”, disse a coautora Dra. Claudia Suemoto, professora assistente na divisão de geriatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, à CNN quando o resumo do estudo foi divulgado em agosto.

“Cinquenta e oito por cento das calorias consumidas pelos cidadãos dos Estados Unidos, 56,8 por cento das calorias consumidas pelos cidadãos britânicos e 48 por cento das calorias consumidas pelos canadenses vêm de alimentos ultraprocessados”, disse Suemoto.

Alimentos ultraprocessados ​​são definidos como “formulações industriais de substâncias alimentícias (óleos, gorduras, açúcares, amido e isolados de proteínas) que contêm pouco ou nenhum alimento integral e geralmente incluem aromatizantes, corantes, emulsificantes e outros aditivos cosméticos”, segundo a o estudo.

Aqueles no estudo que comiam mais alimentos ultraprocessados ​​eram “mais propensos a serem mais jovens, mulheres, brancos, tinham maior educação e renda, e eram mais propensos a nunca ter fumado, e menos propensos a serem consumidores atuais de álcool”, disse o estudo. estudo encontrado.

Não é só o cérebro

Além do impacto na cognição, os alimentos ultraprocessados ​​já são conhecidos por aumentar o risco de obesidade, problemas cardíacos e circulatórios, diabetes, câncer e redução da expectativa de vida.

“Alimentos ultraprocessados ​​em geral são ruins para todas as partes de nós”, disse Katz, presidente e fundador da organização sem fins lucrativos True Health Initiative, uma coalizão global de especialistas dedicada à medicina baseada em evidências para o estilo de vida.

Os alimentos ultraprocessados ​​geralmente são ricos em açúcar, sal e gordura, todos os quais promovem inflamação em todo o corpo, que é “talvez a maior ameaça ao envelhecimento saudável do corpo e do cérebro”, disse o Dr. Rudy Tanzi, professor de neurologia. na Harvard Medical School e diretor da unidade de pesquisa em genética e envelhecimento do Massachusetts General Hospital, em Boston. Ele não estava envolvido no estudo.

“Enquanto isso, uma vez que são convenientes como uma refeição rápida, eles também substituem a ingestão de alimentos ricos em fibras vegetais, importantes para manter a saúde e o equilíbrio dos trilhões de bactérias em seu microbioma intestinal”, acrescentou Tanzi, “o que é particularmente importante para a saúde do cérebro e redução do risco de doenças cerebrais relacionadas à idade, como a doença de Alzheimer”.

O que fazer

Como você pode evitar que isso aconteça com você? Se você incluir alimentos ultraprocessados ​​em sua dieta, tente combatê-los comendo também alimentos integrais de alta qualidade, como frutas, vegetais e grãos integrais.

“A conclusão sugerida aqui é que os alimentos ultraprocessados ​​são, de fato, um ‘ingrediente’ importante, mas a exposição que deveria ser o foco dos esforços de saúde pública é a qualidade geral da dieta”, disse Katz.

Uma maneira fácil de garantir a qualidade da dieta é cozinhar e preparar sua comida do zero, disse Suemoto.

“Dizemos que não temos tempo, mas realmente não leva muito tempo”, disse Suemoto.

“E vale a pena porque você vai proteger seu coração e proteger seu cérebro da demência ou da doença de Alzheimer. Essa é a mensagem para levar para casa: pare de comprar coisas superprocessadas.”

CNN

Leave a Comment