Vic Carrabotta, artista de quadrinhos da Marvel dos anos 1950, falece

Victor “Vic” Carrabotta, um dos últimos artistas de quadrinhos sobreviventes a trabalhar para a Marvel na década de 1950, incluindo uma história na primeira edição de Jornada ao Mistériofaleceu aos 93 anos.


Carrabotta nasceu na cidade de Nova York e frequentou a High School of Music & Art de Manhattan e depois a Cartoonists and Illustrators School (agora chamada de School of Visual Arts). Depois de um período nos fuzileiros navais, Carrabotta tentou entrar nos quadrinhos em 1951. Um dos primeiros lugares que ele foi para tentar conseguir trabalho foi o estúdio de Joe Simon e Jack Kirby. Simon e Kirby produziram quadrinhos para algumas empresas diferentes na época. Carrabotta mais tarde se lembraria de como Kirby deu a ele sua grande chance: “Jack foi muito legal. Eu era apenas um garoto naquela época, apenas 21 anos. Quando ele me acompanhou para fora, eu disse: ‘A propósito, esta é minha esposa, Connie. ‘ Connie se levanta e Jack olha duas vezes para cima e para baixo porque ela está grávida… Ele disse: ‘Sente-se aqui um minuto, preciso voltar ao meu escritório’. Ele escreve uma nota e sela, e me diz para voltar para Stan com a nota. … [Upon doing so,] Stan disse: ‘Jack diz que você é um bom artista.’ Eu disse: ‘Ah, não sei. Gostaria de ver minhas amostras? Ele diz: ‘Não, tudo bem. Jack diz que você é um bom artista. Vou te dizer uma coisa’, e ele joga o roteiro sobre a mesa. Ele diz: ‘Quero isso de volta em uma semana’.”

A primeira missão de Carrabotta para a Marvel (até a década de 1960, a empresa que hoje conhecemos como Marvel não tinha um nome definido, pois seu proprietário, Martin Goodman, gostava de usar vários nomes para suas empresas. O nome mais comumente associado a a década de 1950, porém, é Atlas. Para facilitar, vamos apenas dizer Marvel) foi uma curta história de terror, “The House on the Hill”, em Surpreendente # 13 no início de 1952.

surpreendente-13-1

No mês seguinte, uma história de Carrabotta, “Haunted!”, apareceu na primeira edição de uma nova antologia chamada Jornada ao Mistério (82 edições depois, a série apresentaria Thor)…

viagem-ao-mistério-1-1

Carrabotta tornou-se uma presença regular na Marvel, embora também fizesse trabalhos para a Fiction House e Lev Gleason, entre outras empresas de quadrinhos. Como seus contemporâneos da Marvel na época, como Bill Everett e Joe Maneely, Carrabotta era adepto de mudar de gênero para gênero, dependendo do que estava em alta na época. Ele fez ficção científica, horror, fantasia, faroeste e quadrinhos de guerra.

No final dos anos 1950, porém, a indústria de quadrinhos sofreu uma grande recessão, com a Marvel praticamente eliminando totalmente seus freelancers e, como muitos outros artistas de quadrinhos, Carrabotta teve que se mudar para outra indústria. E também como muitos artistas de quadrinhos, ele encontrou trabalho em publicidade.

Carrabotta teria uma carreira publicitária de muito sucesso nos trinta/quarenta anos seguintes, inclusive atuando como diretor de arte para algumas das principais empresas de publicidade. Carrabotta mudou-se para a Carolina do Sul na década de 1950 e, embora tenha voltado para o Nordeste em algum momento de sua carreira de publicitário, voltou para a Carolina do Sul no início dos anos 2000. Ele tinha participado regularmente de convenções de quadrinhos no Sul nas últimas duas décadas.

Leave a Comment